quarta-feira, 18 de março de 2009

Na corrente: «nunca o amor foi fácil, nunca, também a terra morre»

Um outro desafio chegado por intermédio da Ana Salomé (http://www.cicio.blogspot.com/) - "escolher uma pérola que tenha ficado na nossa memória mais profunda". Aqui deixo a minha pérola (im)perfeita: «nunca o amor foi fácil, nunca, também a terra morre»

Cala-te, a luz arde entre os lábios,

e o amor não contempla, sempre

o amor procura, tacteia no escuro,

essa perna é tua?, esse braço?,

subo por ti de ramo em ramo,

respiro rente à tua boca,

abre-se a alma à língua, morreria

agora se mo pedisses, dorme,

nunca o amor foi fácil, nunca,

também a terra morre.

(David Mourão-Ferreira)

4 comentários:

ana salomé disse...

lindíssimo. :)
um beijinho*

Diana Monteiro disse...

tão bonito!


beijo

Anónimo disse...

Este poema é do Eugénio de Andrade e não do Davi Mourão Ferreira!

Miguel Machado

AidaLemos disse...

Citei-o de memória e pensava que era de Mourão-Ferreira. Irei confirmar. Obrigada.