sábado, 11 de outubro de 2008

Torga tão actual

Não sei quantos seremos, mas que importa?!
Um só que fosse, e já valia a pena.
Aqui, no mundo, alguém que se condena
A não ser conivente
Na farsa do presente
Posta em cena
Não podemos mudar a hora de chegada,
Bem talvez a mais certa,
A da partida.
Mas podemos fazer a descoberta
Do que presta
E não presta
Nesta vida. E o que não presta é isto, esta mentira
Quotidiana.
Esta comédia desumana
E triste,
Que cobre de soturna maldição
A própria indignação
Que lhe resiste. TORGA, Miguel (1995), Câmara Ardente – 3ª edição. Coimbra: Coimbra.

1 comentário:

Cláudia, 12ºF disse...

Passei por aqui e não podia deixar de prestar homenagem a Miguel Torga, escritor que gosto muito. Admiro-o como escritor e como homem. Penso que a sua visão da vida era muito correcta. Pelo menos por aquilo que se percebe dos seus poemas e textos.