segunda-feira, 5 de janeiro de 2009

Línguas de Perguntador (In "Voz do Minho" de 23/12/2008)

É Natal. Falemos então da árvore, da ceia e dos presentes de Natal. Por que razão colocamos um pinheiro dentro das nossas casas nesta época? Partimos à descoberta da resposta e foi então que descortinamos o seguinte: após o nascimento de Jesus, várias pessoas o foram visitar e oferecer-lhe presentes. Perto do estábulo onde se encontrava o Menino Jesus, encontravam-se três árvores – uma palmeira, uma oliveira e um pinheiro – que alegravam ainda mais aquele espaço. Ao verem as pessoas oferecerem presentes ao Menino Jesus, as três árvores quiseram também oferecer-lhe algo – a Palmeira decidiu oferecer o seu maior ramo; a Oliveira o seu óleo; e o pinheiro, que nada mais tinha para oferecer para além dos seus ramos bicudos e aguçados que poderiam aleijar o Menino Jesus, ficou muito triste. Foi, então, que um anjo que por ali passava percebeu a tristeza do pinheiro e fez as estrelas brilharem, descerem e pousarem nos seus ramos, deixando-o completamente iluminado. Foi neste momento que os olhos do Menino Jesus se encheram de luz, brilho e felicidade ao visualizar tão belo pinheiro. Foi assim que “nasceu” o pinheiro de Natal, marca simbólica que dá cor e alegria aos lares de muitas famílias durante a quadra Natalícia. A 24 de Dezembro temos a ceia de Natal. Com certeza que muitos de nós já nos questionamos quanto à sua origem. Pois bem, a ceia natalícia parece ter a sua origem na festa pré-cristã da Roma Antiga – a Saturnália – quando as pessoas se presenteavam com verdadeiros banquetes. Como a festa terminava a 25 de Dezembro, a mesa repleta de delícias acabou mais tarde ligada ao Natal. A religião católica faz uma analogia desta ceia com a última de Jesus Cristo antes da sua morte, quando ele e os discípulos comemoravam a Páscoa dos judeus. Como se pode perceber, realmente esta é uma data carregada de simbologia, mas que vai muito além das tradições do cristianismo, pois é resultado da soma de costumes antigos e pagãos, bem como de muitas crendices populares, afinal, são mais de 2 mil anos de história em torno desta noite especial! Para terminar temos mais uma curiosidade – a tradição da oferta dos presentes de Natal, acto tão esperado por todos nós. Os presentes de Natal já se tornaram um ritual obrigatório. E embora sejam apontados motivos religiosos para a oferta de prendas, ela tem raízes mais antigas. Em Dezembro, estando já passada a primeira metade dos rigores do Inverno, a celebração era pontuada por um grande consumo de alimentos. Como cada agricultor tinha uma especialidade própria, surgiu a tradição de trocar produtos para que todos pudessem consumir alguma variedade. Os romanos reforçaram este hábito, aumentando o volume e valor das ofertas. Mais tarde, os cristãos adoptaram este costume, simbolizando a oferta de presentes o altruísmo do ideal católico, patente nos presentes trazidos pelos Reis Magos ao Menino Jesus. Preparemo-nos, então, para viver a noite da consoada. O Clube da Língua Portuguesa (CLP) da Escola Secundária/3 de Barcelinhos despede-se com votos de um Feliz Natal para todos. CLP – Liliana Faria e Diogo Lopes (12ºF)

1 comentário:

Diana Monteiro disse...

parabéns meus queridos!!
escrevem tao bem!



beijo